sexta-feira, 15 de junho de 2007

ROBSON QUALÉ?


Navego nos mares,

Neste vai e vem,

Nestas dores felizes,

Nisto tudo.

Passo torta e balançada

Na pancada da onda.


Quase me afogo.

Todos os dias tento nadar,

Dizem ser muito simples.

Na areia da praia

Os peixes fritos

Borbulham na frigideira.

E eu navego.


Um porto de entrada

Escrito não tem saída,

É o que nos avisa.

Sexta-feira de tênis,

Sábado ando descalça.

Eu navego.

A bússola ao oeste

Perdida. Ninguém se acha.

Do mar vai e vem a sensação

Do eterno.

(Célia Demézio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...
Loading...