quarta-feira, 23 de maio de 2007

O Poeta é a Mãe das Armas




O Poeta é a mãe das armas
& das Artes em geral —
alô, poetas: poesia no país do carnaval;
Alô, malucos: poesia
não tem nada a ver com os versos
dessa estação muito fria.

O Poeta é a mãe das Artes
& das armas em geral:
quem não inventa as maneiras
do corte no carnaval (alô, malucos),
é traidor da poesia: não vale nada, lodal.

A poesia é o pai da ar
-timanha de sempre: quent
ura no forno quente do lado de cá,
no lar das coisas malditíssimas;
alô poetas: poesia!
poesia poesia poesia poesia!

O poeta não se cuida ao ponto
de não se cuidar: quem for cortar meu cabelo
já sabe: não está cortando nada
além da MINHA bandeira ////////// =
sem aura nem baúra, sem nada mais pra contar.
Isso: ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. a
r: em primeiríssimo, o lugar.


(poetemos pois - Torquato Neto) /8/11/71 & sempre.

3 comentários:

  1. Demais! ainda mais com o bandido mestre impar underground, louco e criativo TOM WAITS, meu ídolo.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, mais uma vez !!
    Belíssima página,
    beijos
    AA

    ResponderExcluir
  3. Poetemos pois, belíssimo teu pensamento escrito, quero mais!
    Beijo enorme

    ResponderExcluir

Loading...
Loading...